terça-feira, 28 de julho de 2015

Devaneios de um passado recente

O fundo
Foi
     Caindo
                 Sem
                        Perceber
                 Que
            No
Fundo
           Ninguém
                           Nos

                                  Vê

Velho Sonho
O velho sonho estava chateado,
afinal, fazia tempo que não era sonhado

Tão perseguido no passado,
agora não era nem sequer lembrado

Após refletir, acabou por ficar conformado:
Com o passar do tempo, 
alguns sonhos vão sendo trocados.

Dando forma
Tintas jogadas na tela
O excesso vai escorrendo
Da coisa sem forma
Uma imagem vai aparecendo

O pintor se assusta
Assusta-se com o que vê
"Como apareceste ai?
Não dei forma alguma a você!"

Mas agora não tem jeito
A obra está findada e o autor nem sequer notou
que o que estava alojado em seu coração
A sua arte violou


6 comentários:

  1. Bom dia Jonatas
    A tua criatividade poética encanta o leitor. Com sensibilidade ímpar você transforma em belas esculturas líricas palavras que poderiam ser simples mas que viram arte na sua exuberante poesia
    Um dia feliz meu amigo
    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gracita

      Fico muito agradecido pelas palavras motivadoras. A poesia não está presente nos textos, mas no seu poético olhar.

      Beijo

      Excluir
  2. Respostas
    1. Fico feliz que tenha apreciado, Dave

      Forte abraço

      Excluir
  3. E assim seguimos nós, autores de nossas vidas, sem notar que a arte de viver nos faz cair, abandonar sonhos e dá, por si mesma, nova forma aquilo que um dia fomos nós.

    Deixei uma réplica em “Corporal”, belas crônicas meu amigo. Quanto ao blog, vi seu contato e te mandei um e-mail.

    Felicidades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novas formas sim, mas espera-se que nunca a quebra de essência.

      Abraço

      Excluir

Deixe registrada aqui a sua opinião / comentário: