terça-feira, 23 de junho de 2015

Corporal



Sofro.
Sofro sim.
Sofro muito.
Mas meu sofrimento...
O meu sofrimento é mera e unicamente corporal.
Meus braços queixam-se, compreensivelmente, por ser movimentados para outra atividade que não seja segurar-te. Abraçar-te.
Minhas mãos e os meus dedos estão profundamente frustrados por não poderem contornar, estudando, demoradamente, cada linha harmoniosa do teu gracioso rosto.
As minhas pernas e os meus pés estão revoltados, pois minhas caminhadas já não mais os levam até ti. E deixaram claro que por mais distante, árduo e sôfrego que seja o trajeto, o completariam com prazer para realizarem este nosso reencontro.
O meu peito clama, dolorosamente, todas as santas noites insones, pelo recostar e repousar da tua cabeça. Espera poder novamente aninhar-te.
Os meus cabelos, pobres coitados, exigem, ao menos uma vez mais a delícia de por ti serem tocados, percorridos e alisados.
Meus ouvidos se entristecem somente em rememorar o fato de que já não irão mais ouvir a tua doce voz, que a eles tão bem fazia.
Meu nariz fareja, constantemente, onde quer que esteja, na esperança vã de captar um resquício da tua acalentadora fragrância natural. Do teu maravilhoso perfume.
Os meus olhos... Ah, os meus olhos! De tão fiéis a ti, fizeram greve por tempo indeterminado. Alegando causa inegociável, eles se recusam a abrir, a não ser que seja na tua presença. Choram inesperada e constantemente a tua ausência.
Os meus lábios movimentam-se sem vontade, certos de que as minhas palavras não chegarão até você. E não são raras as vezes em que os flagro pronunciando, baixinho, com saudades, o teu belo nome.
O meu cérebro, dono de uma memória infalível, insiste em me levar em um passeio nostálgico pelos momentos maravilhosos que contigo compartilhei. Nele, só existe você, você e você. Trata-se de um espaço, de um altar, de pureza, tributo e adoração eternos.
E o meu coração... O meu coração, no cumprimento leal das obrigações de suas funções, bate fraco, descompassado, triste. Repleto de amor, não quer ser entregue a outra pessoa que não seja a você.


Continho anteriormente publicado no Recanto das Letras

15 comentários:

  1. Lindo, e digno de ser compartilhado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Ana. Obrigado pelo carinho. Abraço

      Excluir
  2. Que lindo e tocante este conto.
    A saudade de amor distante adoece o corpo e a alma
    Amor é para ser vivido com paixão. Jamais um corpo deveria conhecer enfermidades causadas pela ausência do ser amado. Parabéns Jonatas!
    Obrigada pela visita mega carinhosa. Fiquei muito feliz de vê-lo em meu blog
    Volte outras vezes amigo. É um prazer recebê-lo
    Beijinhos no coração e um sorriso

    ResponderExcluir
  3. Parabéns meu amigo! Acho que todos nós temos um problema de amor assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meri, o sofrimento do amor, parece, é universal

      Abraço

      Excluir
  4. Muito bom, meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. O corpo reflete o âmago, o seu sofrimento é a alma gritando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena quase nunca sabermos lidar com esta exteriorização.

      Abração

      Excluir
    2. Verdade.
      Talvez, se lidássemos, então, com a interiorização, cicatrizando as feridas da alma.
      A imagem refletida pelo espelho só pode ser alterada, verdadeiramente, na origem real. Podemos mudar a direção do espelho mas, em algum momento, ele pode ser orientado para a antiga posição e, se a origem não foi alterada, irá refletir a mesma imagem, sempre.

      Felicidades

      Excluir

Deixe registrada aqui a sua opinião / comentário: